Filmes/Séries

“São os fãs mais apaixonados que já conheci!”

0
Foto Marcelo Valladão
Compartilhe nossos posts em suas redes

Confira o nosso bate-papo com “Jesus”, “Mateus” e “Éden” da série The Chosen

A série “The Chosen: Os Escolhidos”, que retrata a vida de Jesus Cristo e seus discípulos, continua a quebrar recordes e transcendeu de uma simples surpresa para se estabelecer como um produto completamente consolidado. Atualmente, conta com mais de 600 milhões de visualizações em 200 países e está legendada em 62 idiomas. O planejamento inclui sete temporadas ao todo. A quarta temporada, que está em exibição nos cinemas, traz várias novidades. A mais significativa é a estreia nas telonas antes de chegar às plataformas tradicionais.

No primeiro fim de semana de exibições da quarta temporada no exterior, a série arrecadou quase 8 milhões de dólares. No Brasil, cinemas em 157 cidades estão oferecendo sessões dos dois primeiros episódios.

Para promover o lançamento no Brasil, parte do elenco esteve aqui e recebeu nosso jornalista Marcelo Valladão para uma entrevista. Confira a primeira parte do nosso bate papo com Jonathan Roumie, intérprete de Jesus Cristo, Lara Silva, a esposa de Pedro, Éden e Paras Patel, o Mateus.

  • Acompanhe também o áudio original em inglês (11 minutos):

 

Lara, faz muito tempo que você não vem ao Brasil? Consegue entender o português?

Lara Silva: A última vez foi em 2018, mas antes de 2018 foi há 14 anos. Quando saí do Brasil não tinha amigos brasileiros na América e minha mãe estava aprendendo o inglês, ela queria praticar muito em casa,  aí esqueci um pouquinho do português, mas também eu fiquei com preguiça de falar e de continuar a aprender. Eu entendo tudo, mas é difícil formular algumas coisas. As entrevistas precisam ser em inglês porque para mim é mais rápido pensar e falar assim.

Uma pergunta para vocês três: como é a sua relação com os fãs brasileiros?

Jonathan Roumie:  Ainda não tive muitas interações com os fãs, mas antes de vir pra cá,  eu sei que por mim, e vocês provavelmente também experimentaram, os fãs são super apaixonados. São os fãs mais apaixonados que já conheci, estou ansioso para ir até vocês e para conhecer muitas pessoas.

Lara Silva: Para mim, quando volto ao Brasil, e às vezes demora tanto, mesmo quando acabei de pousar, traz lágrimas aos meus olhos, porque é o meu país, onde nasci e posso não ter crescido aqui, mas fico arrepiada. Estou animada para me conectar com meu país, com as pessoas e poder fazer o que amo e compartilhar com todos.

Paras Patel: Meu povo brasileiro (pronunciado em português com muitos risos de todos), eu nunca me vi querendo tanto assimilar uma cultura, e só consegui me conectar mais por causa dos fãs daqui. O amor que eles demonstraram por mim e por todos nós realmente faz meu coração bater mais forte, então, é por isso que estou ativamente tentando aprender português e ficar mais aqui. É minha primeira vez no Brasil, então, estou muito animado e o fato de estar aqui por causa da série e do seu impacto, torna isso tudo tão especial.

Leia mais: 

Jonathan, como você se preparou para mostrar essa nova face de Jesus para o mundo? Alguma parte dos evangelhos em especial te inspirou?

Jonathan Roumie: Você sabe que o programa, por seu design, é propício para realmente mostrar a humanidade de Jesus, porque temos o luxo do tempo, podemos aproveitar nosso tempo e contar a história de uma forma longa. A única maneira que você pode preencher esses episódios é ter essas relações interpessoais. Linhas de história que você conhece e se entrelaçam, ver os pequenos momentos do dia-a-dia que você conhece. Comendo juntos, compartilhando refeições, podemos ver um lado de Jesus que os criadores tiveram que considerar. A vida entre as escrituras é o que conseguimos focar para construir esse relacionamento crescente com o público e os personagens do programa, que refletirá pessoas reais que viveram essas escrituras. É uma alegria absoluta explorar a humanidade de Jesus. A única coisa que posso relacionar com Jesus é a humanidade. Eu sei o que é ser humano. Não sou divino, então a única coisa que posso emprestar ao personagem é minha humanidade, e Deus faz o resto: as pessoas sentirem a Divindade daquilo que não tem nada a ver comigo, porque eu sou uma pessoa, então, eu acho que se há aquele ponto em comum que compartilhamos, que é a humanidade, e as pessoas estão sentindo algo disso e isso as aproxima desses personagens.

Como foram as discussões com Dallas sobre o personagem de Jesus? Porque é uma maneira muito particular de olhar para tal Humanidade. Qual foi esse processo?

Jonathan Roumie: Já que ele também é um dos escritores, tudo começa com o roteiro. Tudo o que fazemos, dizemos e criamos, começa com o roteiro. Quando recebemos os roteiros, podemos ter dúvidas antes de começarmos a filmar e depois quando começamos a filmar estamos na sala trabalhando no local, de repente, podemos ter uma inspiração para dizer o que aconteceria se ele fizesse, ou se ele andasse até lá de uma certa maneira, e dependendo do objetivo geral do Dallas para o personagem, o episódio e o programa, algumas coisas irão funcionar, alguma improvisação irá funcionar e outras serão tipo, vamos seguir o roteiro. Felizmente em Dallas, temos um colaborador muito aberto, você sabe que ele quer escrever ideias, a melhor ideia vence. Se há algo que talvez esteja no roteiro esta noite eu digo: “e se eu mostrar isso em vez de dizer aquela frase, às vezes vai ficar ainda melhor”. Eles são muito cuidadosos em como criaram isso, você conhece os escritores e, no final das contas, é muito aberto à colaboração. Acho que é isso que faz a série ser tão bem sucedida, esse sentimento de que podemos contribuir com nossas ideias. Nosso trabalho como artistas é a criatividade.

Lara, a gente sabe pouco sobre a esposa de Pedro e como é para você fazer esse personagem e o que ela te trouxe? 

Lara Silva: Para mim, no começo foi intimidador, fiquei um pouco nervosa porque não sabia exatamente o que fazer, não tinha informações. Mas orei e é isso que faço quando estou perdida e Jesus me lembrou que está tudo bem, apenas ser como um instrumento, quem eu sou como pessoa, para trazê-la à vida e acho que é isso que a torna tão identificável e fiquei honrada em fazer isso, para poder usar quem eu sou como pessoa. Apenas o amor que ela traz e até um pouco de atrevimento meu fazer isso, não sei se não há tradução para isso (risos). Mas é o que senti que posso contribuir assim para o personagem.

Assista todos episódios gratuitamente em https://osescolhidos.tv/

“As coisas ficaram realmente ruins, estava sem comida e desesperado”

Previous article

Reze a Via Sacra com Santa Faustina! (em áudio e texto)

Next article

You may also like

Comments

Comments are closed.